Motoboys realizam protesto em Pinheiros contra novas exigências para a categoria

Motoboys realizam protesto em Pinheiros contra novas exigências para a categoria
4.8 (95.93%) 54 votos

Motoboys bloqueavam na tarde desta quinta-feira (3) a ponte Eusébio Matoso, na marginal Pinheiros, em protesto contra as novas exigências de trânsito que serão obrigatórias, a partir do dia 4 deste mês, para quem faz o serviço de frete com a moto.

De acordo com a CET (Companhia de Engenharia do Tráfego), os manifestantes também se concentravam na rua Eurico Rangel, na altura do número 40, em frente ao Sindimoto. A interdição da via era total.

Entenda as novas regras

A partir do dia 4 deste mês, os motoboys que fazem o serviço de frete e taxi no país deverão estar de acordo com a resolução 356 do Conselho Nacional de Trânsito. Entre as novas exigências Entre as novas exigências, está o curso de capacitação para o motorista que dura 30 horas e custa R$ 160.





Depois de assistir todas as aulas, a escola de formação comunica o Detran (Departamento de Trânsito). O motorista é obrigado então a solicitar a segunda via da CNH (Carteira Nacional de Habilitação), e pagar por isso R$ 52,43 para ter no documento a confirmação de que o curso foi feito.

A resolução 356 do Contran também determina que coletes (R$ 79), capacetes (R$ 75) e baús (R$ 152) para carregar mercadorias estejam equipados com faixas que reflitam à luz. O objetivo do adereço é fazer com que os condutores das motocicletas sejam facilmente vistos, principalmente durante a noite.

A partir de 4 de agosto deste ano, será obrigatório também o uso do protetor de motor, conhecido como “mata-cachorro” (R$ 44). Ao contrário do que o apelido diz, o equipamento serve para evitar o contato do motorista com a engrenagem da moto, especialmente em caso de queda.

A lista de exigências para quem quer estar dentro da norma de trânsito inclui a instalação do dispositivo aparador de linha, “o corta-pipa” (R$ 16), uma espécie de antena de aço que deve ser regulada na altura da cabeça do motorista. Quem for trabalhar de mototáxi, deve ainda equipar as motocicletas com alças metálicas traseira e lateral para o apoio do passageiro.

Outra novidade é que as motocicletas terão de ser cadastradas no Detran como veículos de aluguel. Isso quer dizer que elas terão placa vermelha (R$ 70,99), como os táxis. O motorista deverá passar por uma vistoria a cada seis meses (R$ 27,50) para comprovar que usa os itens de regulamentação.

Fonte: R7





Deixe seu comentário